Cupom fiscal eletrônico – NFCe Minas Gerais Obrigatoriedade

O uso da Nota Fiscal do Consumidor eletrônica – NFCe torna-se obrigatório, em substituição ao emissor de cupom fiscal ECF e à Nota Fiscal de Venda ao Consumidor, a partir das datas a seguir, para os respectivos contribuintes:

  • 1º de março de 2019: contribuintes que se inscreverem no Cadastro de Contribuintes deste Estado a contar da referida data;
  • 1º de abril de 2019: contribuintes enquadrados com CNAE 4731-8/00 (comércio varejista de combustíveis para veículos automotores), ou contribuintes com receita bruta anual superior a R$100.000.000,00 em 2018;
  • 1º de julho de 2019: contribuintes com receita bruta anual entre R$15.000.000,00 e R$100.000.000,00 em 2018;
  • 1º outubro de 2019: contribuintes com receita bruta anual entre R$4.500.000,00 e R$15.000.000,00 em 2018;
  • 1º de fevereiro de 2020: contribuintes com receita bruta anual inferior a R$4.500.000,00 em 2018 e demais contribuintes.

Considera-se receita bruta anual: produto da venda de bens e serviços nas operações por conta própria, preço dos serviços prestados, mesmo que não sujeitos ao ICMS, e resultado auferido nas operações por conta alheia, não incluído o IPI, as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.

Uso do ECF e Nota Fiscal de Venda ao Consumidor

Contando a partir da data de obrigatoriedade ou de credenciamento voluntário, contribuintes poderão utilizar seus emissores de cupom fiscal ECF já autorizados por até 9 meses, ou até que a memória do equipamento acabe, o que ocorrer primeiro.

Em até 60 dias após o fim desse prazo, caso o contribuinte ainda não tenha parado de usar o ECF, terá a autorização de uso do seu ECF cancelada. Todos os Cupons Fiscais emitidos após este período serão considerados falsos para todos os efeitos fiscais.

Em relação à Nota Fiscal de Venda ao Consumidor, não há período de tolerância adicional. Serão consideradas falsas para todos os efeitos fiscais as Notas Fiscais de Venda ao Consumidor emitidas após a data de obrigatoriedade daquele contribuinte.

No entanto, em caso de operações realizadas fora do estabelecimento, é permitida a utilização da Nota Fiscal de Venda ao Consumidor, modelo 2, até o dia 28 de fevereiro de 2018.

MEI – Microempreendedor Individual

A obrigatoriedade NFCe Minas Gerais não se aplica ao Microempreendedor Individual, independente da receita bruta anual.

Para os contribuintes do MEI, não há prazos estabelecidos, tampouco previsão de que a obrigatoriedade seja futuramente aplicada.

Adesão a NFCe para todos os contribuintes

Na Resolução Nº 5.234, também foi publicada a data de abertura da Adesão Voluntária à NFCe Minas Gerais.

A partir do dia 1º de março de 2019, qualquer contribuinte ainda não afetado pela obrigatoriedade, poderá voluntariamente aderir à NFCe.

Como aderir à NFCe Minas Gerais?

Para os contribuintes varejistas mineiros, a partir do dia 1º de março de 2019, a adesão à Nota Fiscal do Consumidor eletrônica pode ser feita através do credenciamento junto à SEFAZ-MG ou consulte seu contador.

Para realizar o credenciamento, basta seguir as orientações disponíveis no Portal SPED MG. É importante lembrar que esse credenciamento é irrevogável, e uma vez feito, o contribuinte não poderá mais obter autorização de uso do ECF ou emitir Nota Fiscal de Venda ao Consumidor.

Temos solução pronta para atender sua empresa.

Saiba mais!

Estoque Simplificado

Controle de Estoque Online é Simplificado

Controle de Estoque Online, entenda melhor

O controle de estoque online é uma solução inteligente para simplificar e agilizar a administração da sua empresa. Dessa forma é possível gerenciar e controlar qualquer estoque, mesmo que seja mínimo. Desde as matérias primas, inventário de estoque, compras, vendas, até nota fiscal de entrada à produtos finalizados e consumíveis. Tudo isso, de forma simples e rápida.

Estoque Simplificado

Estoque Simplificado

Vantagens do Controle de Estoque Online

Ao optar pelo controle de estoque online, você estará facilitando a sua vida com o inventário de estoque, pois o tornará automático. Além disso, será possível planejar melhor os seus gastos, gerenciar o estoque de forma eficiente, além de otimizar o seu tempo.

Economia: durante a armazenagem dos produtos, tanto eles, quanto o espaço reservado para isso, há um custo. Tanto o valor gasto na compra da mercadoria, como o gasto por ela estar estocada. Por isso, faz-se necessário que a circulação dos produtos esteja sob controle;

Planejamento: o controle de estoque online permite que você planeje suas compras com mais antecedência. Com isso, será possível saber exatamente quando tal produto irá acabar e quais não estão sendo movimentados;

Tempo: por ter o controle de estoque da sua empresa armazenado em um só lugar, isso permitirá que você foque em outras questões referentes ao seu negócio. Ao contrário, seria muito tempo e trabalho investido nessa função;

Qualidade: ao optar pelo controle de estoque online, você toma conhecimento das falhas no fluxo de estoque, como estão sendo feitas as entregas e o trabalho dos fornecedores. Além de um maior controle de estoque, você poderá entregar um serviço de mais qualidade para os seus clientes.

estoque - simplificado

Estoque – simplificado

Escolha o Controle de Estoque Online ideal para a sua empresa

Existem diversas ferramentas que podem te ajudar no controle de estoque online da sua empresa, dentre elas o Simplificado. Esta é uma plataforma em nuvem que auxilia o crescimento do seu negócio. Nesse caso, antes de mais nada, você precisa analisar qual tipo de serviço contratar, de acordo com as necessidades da sua empresa.

Quanto mais as informações do controle de estoque do seu negócio estiverem unificadas, melhor. Por isso, o Simplificado pode ser tudo o que você está procurando para alavancar a sua empresa. Com esse sistema você tem:

Sistema de Gestão Empresarial: a partir de um só software, você controla todos os processos e finanças, a qualquer hora e lugar. Basta ter acesso a internet;

Segurança das Informações em Datacenter Nuvem: suas informações estarão salvas e seguras na nuvem do Azure, com proteção da Microsoft;

Gestão Financeira Online: um combinado de ações, procedimentos e análise financeira permite um planejamento para otimizar os seus resultados;

Emissor de NF-e: dessa forma você economiza tempo, pois as notas fiscais são emitidas com dados cadastrados no sistema, no mesmo instante que acionam os fluxos de venda e contas a receber;

Emissor MDF-e: uma equipe especializada acompanha todas as etapas da emissão do MDF-e;

Emissor de CT-e: uma solução simples para a emissão de CT-e em modais rodoviários, transporte de passageiros, entre outros;

Emissor de NFC-e: chegou para substituir os tradicionais cupons fiscais emitidos pela sua empresa, por outro totalmente eletrônico;

Emissor de NFS-e: também chegou para substituir as notas fiscais de serviços impressas, de forma eletrônica. Além disso, agiliza a comunicação entre o prestador de serviço e a prefeitura do município;

Sistema Multiempresa: facilita a gestão de empresas que são compostas por matriz e filiais;

Pedido de Venda ou Compra: por meio de um contrato entre a sua empresa, fornecedor e cliente, tem como objetivo garantir que a compra e venda seja efetuada corretamente;

Ordem de Serviço: serve para formalizar o início do serviço que será prestado para o seu cliente;

Estoque e pedido de compra e venda

Estoque e pedido de compra e venda

Armazenamento, Consulta e Download de NFe e CTe: XML e DANFe: mantém seus Xml’s de NF-e, CT-e e outros arquivos, organizados em tempo real e de forma automática;

Boleto: substitui a carteira de cobrança com bancos, podendo emitir cobranças de forma simples e prática quando precisar;

Controle de Estoque: é possível controlar o seu estoque, por menor que seja, sem complicações e com agilidade. Desde matérias primas até o produto final;

Sistema ERP: integra os processos de gestão da sua empresa, das finanças as vendas. Com cadastro de clientes, estoque e relatórios.

Ficou interessado em armazenar o seu controle de estoque online? Então acesse o site da Simplificado, experimente as soluções sem compromisso e controle a sua empresa!

Código de Situação Tributária: CST e CSOSN

O Código de Situação Tributária (CST) e o Código de Situação da Operação no Simples Nacional (CSOSN) são códigos que identificam a situação tributária de mercadorias. O CST é formado por três dígitos. O primeiro indica a origem da mercadoria, o segundo e o terceiro a tributação. Já o CSOSN é utilizado na Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) quando o CRT for igual a 1.

Você sabe utilizar corretamente o Código de Situação Tributária?

O Código de Situação Tributária (CST) aplica-se nas notas emitidas pelas empresas do Presumido e Real. E o Código de Situação da Operação no Simples Nacional (CSOSN) aplica-se as notas emitidas pelo Simples Nacional. Esses códigos têm como objetivo identificar a origem da mercadoria e identificar o regime da tributação a que está sujeita.

Existe base legal para uso do CST e CSOSN?

Existe base legal para os dois códigos. Código de Situação Tributária (CST) está previsto no convênio s/n°, 1970, considerando as alterações do Ajuste SINIEF n° 20/2012 (DOU 09.11.2012, com efeitos desde o dia 1° de janeiro de 2013.

Código de Situação da Operação no Simples Nacional (CSOSN) está previsto o § 5° da cláusula terceira do Ajuste SINIEF 07/05.

Fique atento, use o CST e CSOSN corretos sempre!

Cada código de CST precisa ser analisado, pois existem produtos que são isentos, imunes ou não tributados de ICMS dentro do DAS (Declaração de Arrecadação do Simples Nacional). Porém, podem ser tributados no regime RPA (Autônomo), com exceção dos que são substituição tributária que possuem CST específicos. O CSOSN será usado na NF-e quando o Código de Regime Tributário (CST) for igual a 1. Substituirá os códigos da Tabela B, do Anexo CST.

Tabela de Correlação CST x CSOSN

Com a versão 2.0 da NF-e ficou regulamentado que todas as empresas que optam pelo Simples Nacional devem substituir o CST pelo CSOSN.